Você já cometeu algum destes 07 erros em uma entrevista de emprego?





Nós, consultores da KZ, decidimos compartilhar com vocês, alguns comportamentos que identificamos nos candidatos e que podem influenciar negativamente nas tomadas de decisão na escolha do candidato ideal em um processo seletivo.

01- Pontualidade ou não comparecimento na entrevista sem aviso prévio

Um dos principais pontos que podem influenciar negativamente a participação de um candidato no processo seletivo é a ausência nas etapas ou a falta de pontualidade. Em qualquer compromisso, seja de ordem pessoal como profissional isso gera impacto, sobretudo,  a falta da comunicação que pode gerar um imagem negativa sobre o candidato.

É compreensível que situações inesperadas aconteçam e os recrutadores devem exercer a flexibilidade para entender o que está no alcance dos candidatos. Porém, é visto como uma conduta responsável e, acima de tudo, respeitosa quando o candidato comunica com antecedência a sua indisponibilidade. Sendo assim, não comparecer ou chegar atrasado em uma avaliação pode transmitir descompromisso com o processo, o que se torna um ponto crítico e até mesmo irreversível,  para a definição de quem será o escolhido. Vale lembrar que entende-se que a conduta que o candidato apresenta durante o processo seletivo refletirá no seu comportamento no dia-a-dia de trabalho. Sendo assim, sai na frente aquele que consegue transmitir não apenas responsabilidade, mas respeito e compromisso com as atividades que assume.

02- Supervalorizar as indicações/referências da empresa

As indicações têm uma importante função no decorrer de processos seletivos. Quando realizadas de maneira responsável, elas já auxiliam em um embasamento, especialmente técnico, para o conhecimento das funções. Ou ainda aparecem por já se imaginar um possível alinhamento cultural entre esta pessoa e a empresa.  Para o recrutador, quando se fala em empresas sérias e comprometidas com o desenvolvimento geral da equipe e da área, as indicações são positivas e costumam trazer uma boa taxa de conversão.

Entretanto, os candidatos devem se atentar a forma como se referem às pessoas que os indicaram durante a entrevista. É importante que o profissional mencione durante a sua avaliação os vínculos que possui com a outra pessoa, de forma que facilite a compreensão da natureza dos projetos que atuaram e o que, possivelmente, contribuiu para considerá-lo apto à indicação. O candidato deverá estar atento para a frequência e a forma como o menciona, em especial quando tratado por apelidos pessoais. Supervalorizar a indicação também pode ser interpretado como um ponto negativo, sobretudo para suprir a sua real contribuição nas empresas por onde passou, os resultados que trouxe e os impactos que deixou para trás.

03- Falta de autoconhecimento

Já se sabe que durante entrevistas de emprego, é comum que os profissionais sejam questionados a respeito da forma como percebem suas qualidades e defeitos, em especial os relacionando com impactos no trabalho. Desta forma, é interessante que os candidatos exercitem o seu autoconhecimento e reflitam a respeito dos resultados que conquistaram durante sua carreira. Dentro desses resultados, quais atitudes foram utilizadas com mais envolvimento? O que foi crítico para o sucesso?

Da mesma forma, é fundamental que os candidatos reconheçam metas não atingidas, resultados ruins e o que impediu o sucesso de determinado projeto/atividade. Assim, entender quais competências ainda precisam de desenvolvimento é muito importante e deixar de citar defeitos ou gaps não transmitirá a visão de um profissional perfeito e altamente competente. Vale salientar que se torna um diferencial quando o candidato consegue trazer algo fora do trivial ou superficial, por exemplo, dizer que o seu defeito ou a seu qualidade é ser perfeccionista. Isso não cola mais =).

04- Falta de noções salariais

Ao se candidatar para uma oportunidade específica ou receber o convite para participar de uma entrevista, torna-se fundamental que o candidato não apenas pesquise a respeito daquela empresa, seus valores e imagem no mercado, mas também foque no ambiente em que ela está inserida, na região e no seu porte. Também é de se esperar que o candidato se planeje em termos de atuação nessa nova empresa. É uma possibilidade real de vida essa mudança? E se for trocar de cidade, ele irá, de fato, efetivar a transição? Qual será o valor mínimo que preciso para trabalhar nesta cidade?

Ao responder essas perguntas e entender que existe uma boa probabilidade de aceitar uma eventual proposta de aprovação, é recomendado que o candidato busque informações a respeito do custo de vida do local, da disponibilidade de recursos e oportunidades e demais fatores que circulam a sua vida. Profissionais que declaram não ter uma pretensão salarial bem definida por não conhecer a realidade do local ou não ter noção dos custo transmitem falta de preparação para a entrevista e também de planejamento, em relação aos objetivos profissionais e oportunidades de trabalho. Aquele que consegue se posicionar de maneira assertiva, demonstra que está pronto e tem vantagens competitivas no processo seletivo.

05- Conhecimentos e detalhes excessivos sobre a empresa

Que conhecer a empresa que você está se aplicando para entrevista é básico, todos já sabem. Demonstrar identificação com valores, conhecer o seu negócio, seus produtos e serviços é um ponto importante para que seja verificado um alinhamento entre o profissional e a organização. Assim, além do candidato reconhecer se aquela empresa se adequa aos seus objetivos pessoais, poderá se preparar para expor, de maneira transparente, como ele a empresa podem combinar os seus interesses.

Por outro lado, a de atentar para não cair em exageros e detalhes excessivos que dizem mais a respeito de uma pesquisa exaustiva, do que uma identificação real com a empresa. Eventualmente, candidatos podem trazer números, indicadores financeiros e outros dados que, de fato, pouco se relacionam com as suas competências e com o que o torna parecido com a empresa. Então, atenção para, ao expor seus conhecimentos sobre a empresa, busque de forma sincera explorar o por que a sua inserção na organização faz sentido para todas as partes.

06- Pós entrevista: Persistência x Insistência

A ansiedade em relação ao feedback após uma entrevista ou avaliação é natural do processo. Além disso, é comum também que os recrutadores se coloquem a disposição dos candidatos para tirar dúvidas após a entrevista, fornecendo seus e-mails e contatos profissionais, em especial para que se mantenha um compromisso em termos de prazos e expectativas.

Entretanto, há uma diferença entre o que se entende por Persistência em querer saber do processo e entender se o mesmo ainda está acontecendo. O cuidado que deve existir é para não se tornar insistente em saber como está a sua participação no processo. Enviar mensagens para mais de um canal de comunicação ou até mesmo contatar através de meios pessoais é mais comum do que se imagina e transmite uma imagem negativa para o recrutador.

07- Reações negativas ao receber devolutivas do processo seletivo

Por fim, quando se recebe o retorno da entrevista, mesmo que já finalizado o processo, a imagem do candidato continua sendo formada ou reforçada. Ou seja, a forma como ele recebe o retorno da seleção poderá contribuir para a forma como será visto para eventuais novas oportunidades. Se mostrar aberto e disponível ao entender o que aconteceu poderá abrir portas para que o mesmo candidato seja reconsiderado em outro momento. Ou seja, resistência para entender que, naquele momento, o seu perfil não foi o mais desejável e insistir em justificativas extensas e detalhadas a respeito da avaliação acabará interferindo em como esse profissional está sendo visto pela empresa, mesmo que sua participação no processo tenha sido majoritariamente positiva.